ACOMPANHANTES RJ BIA

Meu primeiro dia de puta como acompanhantes do RJ

Casada, tenho 35 anos, gostosa com 55kg, 1,75 de altura e com peitos siliconizado e bumbum avantajado. Casei há cerca de 1 e sempre fui fiel ao meu esposo, até que um dia… Bem, vou contar minha historia, com nomes fictícios, pois sempre mostrei meu rosto em sites de acompanhantes do RJ fui muito divulgadas por mídia também, quando era garota de programa. Meu nome será, Natalia e meu marido, chamarei de Kid Bengala. Meu marido é um ator porno bem sucedido, conhecido por todo o Brasil. E até  em Nova Iorque, pois Kid Bengala começou a 1988 com uma noite com Kid Bengala no cinema pornográfico internacional muito cedo. Casei por sua caceta avantajada, embora ninguém acredita nisso, principalmente quando me vê junto com meu marido. Dizem até que é meio garanhão e que, quando viaja, sempre está acompanhado por atrizes porno.

Faço os olhos cegos de morcego e vou tocando minha vida. Tenho muitas coisas pra fazer o dia todo para me preocupar com meu marido, principalmente porque minha vida mudou radicalmente depois que comecei a trepar com ele todos o dia.
Bia Acompanhante Copacabana Rio de Janeiro foto4
Voltei a estudar, estou a 4º ano fazendo Adm. Foi no curso de administração que eu conheci três colegas, a Chica, a Hilda e a Silva furacão. São três mulheres lídissimas, de vinte e poucos anos, sendo a Chica loira e as outras morenas. Todas com corpos esculturais, à custa de muita malhação, lipo e outros tratamentos modernos. Fizemos um trabalho em grupo no apartamento das três e, depois disso, nossos laços de amizade se estreitaram. Ficamos amiguissimas. Términos o trabalho da faculdade e ficamos conversando um pouco, tomando um whisk. Percebi que o telefone tocava e uma delas corria para atender no quarto. Falava baixinho e logo em seguida voltava para a sala. Senti que elas me queriam ver pelas costas, na medida em que a noite chegava. Quando chegou lá pelas 19h, Chica, a loira, iniciou uma conversa que me deixou estupefata.”_Hilda, eu tenho uma coisa para contar para você que a deixara muito decepcionada conosco. Por favor, não pense mal de nós, pois não tivemos nenhuma escolha na vida. Nós somos garotas de programa. Daqui há meia hora começará a chegar nossos clientes e, por isso, vou pedir para você ir embora, se não eles vão confundir você e… Você não vai gostar…” Fiquei de boca aberta, com os olhos arregalados. Pedi mais um copo d´wisk. Bebi em um gole e fiquei algum tempo olhando para a cara delas, sem falar nada. Pelo luxo do apartamento, pelos carros que elas tinham, pelas roupas, vi logo que elas eram prostitutas de alto luxo. Só transavam com gente muito e muito rica. Com certeza, daqui a meia hora esse apto.está cheio de homens bem vestidos, intelectuais, empresários, artistas, pensava. Com a curiosidade destravei a voz:”_Não se preocupem comigo de jeito nenhum. Jamais eu iria condená-las, jamais iria jogar a primeira pedra. Cada um faz da vida o que quiser. Ruim é fazer mal p´ras pessoas, roubar, matar… Vocês não fazem mal pra ninguém. Pelo contrário, só fazem bem..(risos). E dão o que é de vocês (risos).” Aquela minha aprovação e incentivo deixaram elas bem à vontade. Era só sorriso. Nem me mandaram embora mais. Pelo contrário, até me convidaram para ficar. Aquele convite me excitou muito. Senti que minha bucetinha estava ensopadinha, molhando até minha calcinha e o líquido já estava começando a escorrer pela minha perna. Pelo meu grande interesse no assunto, pelo meu jeito histérico de rir, de falar, de comentar, as meninas perceberam que eu estava realmente querendo ficar por ali, para me encontrar com os fregueses da noite. Mudaram a conversa e começaram a me convidar para ficar. Insistiram. Hilda disse que iria me apresentar um gatão, um empresário alto, bonito e rico. E não era velho não. Tinha lá seus 40 anos. Comecei a ficar ainda mais excitada. Nunca na minha vida me senti assim. Era só tesão. Minha cabeça rodava a mil. Minhas pernas tremulavam, até minha voz mudou. E elas perceberam que eu queria, mesmo, experimentar uma noite de puta. Convencida a ficar, liguei para Kid Bengala comunicando que não conseguimos terminar o trabalho e que iríamos passar a noite toda fazendo o tal trabalho do curso. Telefonei para casa e, obviamente, meu marido acreditou, pois eu nunca mentira para ele antes. Fui para a suíte de Hilda e me preparei. Depois de um banho no chuveiro, coloquei uma das roupas dela e fiquei aguardando a freguesia. O primeiro a chegar foi um senhor de uns 60 anos e muito bem vestido. Ele se enroscou com Rose e foram para a suíte dela. Depois chegou outro homem, também de meia idade, e foi trepar com Silva Furacão. Eu e Chica ficamos aguardando o Ricardo, o tal quarentão bonito. Jane me contou que Ricardo sempre falou que queria trepar com duas acompanhantes do RJ ao mesmo tempo, mas nunca dava certo, pois as outras meninas sempre estavam ocupadas com seus clientes. Hoje ia dar certo, disse Chica, olhando para mim, cheia de malicia. Eu estava nas nuvens. Nunca pensei que eu tinha tanto tesão. Aliás, me achava meio fria. Acho que precisava mesmo de uma situação erótica dessa para ficar mais safada para o Kid. Ricardo chegou. Chica abriu a porta e entrou aquele homenzarrão de quase dois metros, maravilhoso. E muitíssimo educado. Entrou, nos cumprimentou com carinho e foi puxando a Chica para a suíte dela. “_Espere, tenho uma surpresa para você. Lembra que falou que queria transar com duas? Chegou o dia. Esta é Natalia, minha prima, que está de passagem pelo Rio de Janeiro e quer nos fazer companhia. Topa?” Ricardo nem respondeu, pegou, gentilmente, meu braço e, abraçado em nós duas, se dirigiu para a suite de Chica. Com aqueles braços fortes nas minhas costas, me senti uma menininha indo para a escola pela 1ª.vez com o pai. Entramos e Chica se jogou na cama, desfazendo-se das roupas. Ricardo fez o mesmo, jogando as roupas no chão. Eu fiz de conta que já estava acostumada com tudo aquilo e também me livrei das roupas, ficando de calcinha . Enquanto os dois se abraçavam e se beijavam, numas preliminares sensuais, eu ficava acompanhando passando a mão nas costas do Ricardo, louquinha para ver o pau dele. Chica matou minha curiosidade, puxando de dentro da cueca aquele mastro enorme. Com as duas mãos, ela punhetou com carinho e colocou a cabeça na minha boca. Com a pica na mão, Chica me chamou com um gesto, para eu aproveitar um pouco aquele pintão. Me aproximei e gulosamente tentei enfiar tudo na boca. Não consegui, mas um bom bocado entrou. chupei, chupei com vontade. A vontade tão grande que chica até se assustou. Não queria mais largar a tora. Não queria passar para a Chica. Queria chupar, lamber, punhetar, aquele pinto, que tão cheiroso não tinha igual. Nunca mesmo. Chica ficou apreciando minha chupada com grande admiração, afinal Ricardo era seu melhor cliente. Deixei Chica chupar um pouquinho, mas logo catei de novo e fiquei meia hora com aquele pau na boca. Ricardo delirava. Pediu para eu me virar e colocar na minha buceta em sua boca. Fizemos um 69. Chicae me ajudava, chupando o saco e a base do pau do Ricardo. Eram duas bocas no seu pau. Ricardo adorou.
E esse foi meu dia de puta no RJ
Anúncios